Banner Top
Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

LADO B DE KLEBBER TOLEDO

NO AR NA SÉRIE DA GLOBO “A FÓRMULA”, O ATOR DEU ALGUMAS VOLTAS ATÉ COMEÇAR A CARREIRA ARTÍSTICA. JOGOU VÔLEI PROFISSIONALMENTE, COMEÇOU AS FACULDADES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FISIOTERAPIA, MAS ACABOU CHAMANDO A ATENÇÃO PELOS TRAÇOS PERFEITOS PARA A PUBLICIDADE – E ENTÃO FOI CURSAR TEATRO. “EU REPITO SEMPRE QUE SE A BELEZA ABRE PORTAS, ELA NUNCA VAI MANTÊ-LAS ABERTAS SE VOCÊ NÃO MOSTRAR SERVIÇO. E O QUE TENHO TENTADO FAZER É ISSO: MOSTRAR MINHA ARTE E O HOMEM QUE EU SOU”, DIZ.

Klebber Toledo estava resfriado. Mas, ao contrário de Frank Sinatra, que 50 anos atrás se recusou a dar uma entrevista ao jornalista Gay Talese por causa do desconforto de saúde, Klebber apenas se desculpava. Ele estava um pouco atrasado, sentia os efeitos de uma enxaqueca e o início de uma gripe, tinha sido parado em uma blitz e atacado por mosquitos borrachudos no caminho. O dia havia começado com o pé esquerdo, mas todos os seus atos e palavras eram de uma gentileza genuína. O ator de 31 anos, loiro de olhos azuis e com cara de príncipe de conto de fadas, não nega que é bom moço – e transforma a expressão em qualidade a ser admirada.

“Sou um cara correto, não tenho por que negar. A verdade é que não gosto de ver coisas erradas”, diz. Tal jeito de pensar e de agir se aplica a tudo na vida dele: do trabalho à organização de casa; da exposição de sua vida pessoal a questões ambientais. Comemorando dez anos de carreira como ator, Klebber mostra ser metódico, gosta de ter controle sobre o que acontece ao seu redor e se dedica para que tudo ocorra de acordo com seus planos. “Sou muito competente com meu trabalho e cobro isso das pessoas também. Se nos dedicarmos e fizermos funcionar, todo mundo ganha e cresce junto”, afirma.

Nascido em São Paulo, ele se mudou aos 8 anos com a família para uma chácara no pequeno município de Nazaré Paulista, a 90 quilômetros da capital. Sua infância foi entre a natureza do sítio e os estudos, em Bom Jesus dos Perdões, cidade vizinha, onde sua mãe mora até hoje. Aos 15 anos, Klebber saiu de casa para se dedicar àquilo que acreditava ser seu maior sonho: jogar vôlei profissionalmente. Ponteiro, ele defendeu alguns times no interior paulista e morou em cidades como Americana, Campinas e São Sebastião. Com 1,80m de altura, baixo para os padrões do esporte, conseguia saltar a 1,10m do chão. “Joguei muito contra o Bruninho [levantador da seleção brasileira] e sempre perdi. Ele era muito bom já naquela época”, lembra.

Do vôlei, Klebber herdou a disciplina. “Gosto de me dedicar às coisas, de pegar e ficar ali, trabalhando mesmo, indo até o fim. Esporte é repetição, a busca pela evolução, não pela perfeição.” Aos 18 anos, uma lesão no joelho o fez reconsiderar os planos de ser atleta e voltar para São Paulo, onde começou as faculdades de Educação Física e Fisioterapia. Ambas foram abandonadas quando surgiram trabalhos em publicidade, e Klebber vislumbrou a possibilidade de se tornar ator. Fez cursos na capital paulista e depois foi para o Rio de Janeiro estudar na Oficina de Atores da Globo. No ano seguinte, em 2007, estreou em Malhação como Mateus, seu primeiro papel na emissora.

Desde então, o ator participou de sete novelas, quatro filmes, sete peças e dois musicais. Atualmente, está no ar como Ricardo na série da Globo “A Fórmula” e grava uma participação na série “Cidade Proibida”, também da Globo, que deve estrear em 2018. “Cresci numa cidade pequena, minha família não tem nada a ver com o meio artístico. Eu falava que ia fazer teatro, eles diziam: ‘vai fazer alguma coisa direito’. Mas isso foi quebrado ao longo do processo, quando viram minha dedicação e respeito pela profissão”, conta.

FAMA DE GALÃ
Nos últimos anos, Klebber interpretou playboys, vilões e conquistou papéis polêmicos, como o de Leonardo, na novela “Império”, que se apaixona e tem um caso com Cláudio, personagem de José Mayer. Entretanto, não importa onde vá ou o que aconteça, as pessoas continuam chamando-o de galã, estereótipo que ele nega veementemente. “Galã é, sem dúvida nenhuma, o personagem, não eu. É coisa do ser humano olhar para uma pessoa e não ver a alma de imediato, só o símbolo, o rótulo”, diz. Klebber atribui a preconcepção aos olhos claros e ao jeito arrumadinho, mas está disposto a quebrar esse lugar comum. “Não sou um ator acomodado. Vejo muito valor no que meu trabalho pode causar na vida das pessoas. O que me move é contar boas histórias.”

Ainda no começo da carreira – “dez anos para um ator não é nada”, como ele mesmo diz – Klebber Toledo segue em busca de trabalhos e funções que o estimulem a se desenvolver cada vez mais. “Não tem um personagem que eu queira fazer, quero é ser desafiado. Claro que papéis mais dramáticos requerem uma atenção maior. Mas acho a comédia ainda mais difícil, pois tem um tempo muito delicado: ou dá certo ou não dá.” Em “A Fórmula”, ele interpreta o personagem de Fábio Assunção durante a juventude. A série é uma espécie de comédia romântica e lhe permitiu trabalhar o timing do humor.

A história conta como uma cientista, vivida por Drica Moraes, descobre uma fórmula que a torna 30 anos mais jovem. Sua versão mais nova, interpretada por Luisa Arraes, reencontra Ricardo, seu amor de juventude, que se apaixona novamente por ela. Por meio de flashbacks, cabe a Klebber dar o tom e convencer o público da força da relação que será revivida 30 anos mais tarde. “A trama discute o quão complicado é não resolver de verdade uma situação”, explica. A série aborda também a questão do envelhecimento, algo que não preocupa nem um pouco o ator. “Não tem muito o que fazer, por isso é importante ser feliz, ter bem-estar e qualidade de vida.”

Surfista eventual, ele confessa que não é muito vaidoso, mas precisa estar sempre em movimento, seja praticando esportes, em contato com a natureza ou trabalhando em vários projetos simultaneamente. “Leio de dois a três livros ao mesmo tempo, escrevo, atuo, produzo, fotografo, toco vários setores dentro da minha empresa. Acho que por isso não me preocupo muito com a passagem do tempo, porque ela significa apenas que estou crescendo, aprendendo, evoluindo”, diz. Na produtora em que é sócio, Klebber mexe com eventos, teatro e cinema, além do agenciamento de atores e da administração da própria carreira.

Entre tantas funções, ele ainda encontra tempo para se dedicar a um de seus projetos mais queridos, o “Encontro na Praça”, evento realizado em Descoberto, no interior de Minas Gerais. A festa acontece uma vez por ano e tem um pouco de tudo: desde atividades culturais e de incentivo ao artesanato até serviços de saúde e conscientização ambiental. “Eu quero transformar coisas no mundo e uso a visibilidade que meu trabalho dá para replicar ideias de consciência, atenção, carinho e responsabilidade”, diz o ator, que também usa as redes sociais para tratar dos mesmos temas. Em maio deste ano, por exemplo, fez uma série de vídeos no Instagram para mostrar o corte de dezenas de árvores em uma área de mata ciliar no Rio de Janeiro. “Primeiro disseram que iriam reflorestar, mas descobri que vão construir uma passarela. Vou me amarrar lá”, ameaça, realmente indignado.

APAIXONADO
É também nas redes sociais que ele confessa seu amor por Camila Queiroz, atriz de 24 anos com quem noivou recentemente. Os dois se conheceram durante a novela “Êta Mundo Bom!”, na qual viviam o casal Mafalda e Romeu. No folhetim, os personagens ficaram entre idas e vindas, chegaram até o altar, mas Romeu foi abandonado no dia do casamento. Na vida real, porém, a história é um pouco diferente: assim que a novela terminou, em agosto de 2016, eles assumiram o namoro.

“Eu e a Camila somos felizes juntos. A gente faz bem um ao outro, temos uma relação linda e acho que transmitimos isso para as pessoas”, diz. Apesar de revelarem parte da intimidade nas redes sociais, Klebber conta que eventualmente se espanta com o interesse que as pessoas têm em sua vida privada. “Às vezes dá vontade de falar: gente, é só um casal. Não gosto de escancarar minha vida pessoal, mas ao mesmo tempo quero que as pessoas vejam que a nossa vida é normal.”

Se a rotina do casal é normal, as manias de Klebber escapam um pouco do comum e revelam que sua necessidade de querer tudo certinho pode admitir contornos curiosos. Seu armário é organizado por cores, “do branco ao preto, da direita para a esquerda”, conta, rindo. As gavetas também são em degradê. A maior excentricidade, porém, pode ser constatada na geladeira, arrumada com todos os rótulos virados para frente. “É meu ascendente em virgem”, justifica-se. “Mas eu juro que é mais fácil. Não preciso nem acender a luz para encontrar o que quero no armário.”

Durante a sessão de fotos, realizada no hotel La Suite by Dussol, no Rio de Janeiro, Klebber causou alguns calafrios, não pela sua beleza ou charme, mas por não ter qualquer medo de se equilibrar na beirada da piscina infinita ou de se sentar na pontinha do terraço, a muitos metros do chão. Entre uma troca e outra de roupa, chegou a brincar com a equipe: “Quero ser mau, cansei de ser bonzinho”. A verdade, porém, é que por mais que tente o contrário, Klebber é e (provavelmente) sempre será um bom moço. Gentil, educado e atencioso com quem está ao redor, ele parece não ter perdido o ar de menino criado no interior.

Exceto quando fala sobre a carreira. Aí ele admite um tom de gestor, de quem tem objetivos claros e sabe como alcançá-los. “Não estou preocupado em ser famoso, mas em obter reconhecimento pelo que faço. Sonho em trabalhar muito, dar orgulho para minha família e ajudá-los, construir a minha própria família e a minha empresa, e gerar emprego para muitas pessoas.”

POR ·  JULIANA DEODORO
FOTOS ·  ANDRÉ NICOLAU
MAKE · GUTO MORAES
STYLIST · ALE DUPRAT

Juliana Deodoro
Juliana Deodoro
Colaboradora

Últimas edições

Klebber Toledo
Patrícia Poeta
Gabriel Medina
Juliana Paes
Rodrigo Hilbert
HUGH JACKMAN
Carol Castro
Débora Falabella
Paulo Gustavo
Dan Stulbach
Letícia Spiller
Camila Queiroz
Glenda Kozlowski
Maria Casadevall
Olivier Anquier
Camila Coutinho
Fernanda Lima
Pedro Andrade
Preta Gil
 Jaqueline Carvalho
Taís Araújo e Lázaro Ramos
Cleo Pires
Mauricio de Sousa
Carol Trentini
Star Alliance
Fábio Porchat
Marília Gabriela
Fernanda Paes Leme
Paolla Oliveira
Flávio Canto
Bruna Markezine
Marina Ruy Barbosa
Ingrid Guimarães
 Malvino Salvador
Isabelli Fontana
Deborah Secco
Meninos do vôlei
Miguel Falabella
Daniel Alves
Luiza Valdetaro
Giovanna Antonelli
Wagner Moura
Revista Giovanna Ewbank
Antonio Fagundes
Reynaldo Giane
Fernanda Motta
Paulo  Gustavo
Cláudia Raia
Maria Fernanda
João Paulo Diniz
Tatá Werneck
Fernando Torquatto Avianca
Junior Cigano
Max Fercondini
 Isis Valverde
 Robert Scheidt
Glória Maria
Alessandra Ambrósio
 Alinne Moraes Luiz Tripolli
Sabrina Sato
Tiago Abravanel

Media Onboard

Responsável por todo o entretenimento e mídia de bordo das aeronaves Avianca Brasil, oferecendo diversas plataformas criativas online e off-line para impactar o público alvo.

anuncie
  • Vencemos o 30º prêmio Veículos de Comunicação como revista customizada de 2016
RegistrationLogin
Sign in with social account
or
Lost your Password?
RegistrationLogin
Sign in with social account
or
A password will be send on your post
RegistrationLogin
Registration