Voltar

Cultura

Agenda

Cinema

Entrenimento a Bordo


Voltar

Lifestyle

Gastronomia

Vinhos

Inspire-se

Family Trip

Expedição

Colunas


Voltar

Capa

Edição atual

Making of

Celebridades

Edições anteriores


Edição Atual Sabores mineiros: bares de Belo Horizonte fazem jus à tradição de boa mesa

Sabores mineiros: bares de Belo Horizonte fazem jus à tradição de boa mesa

Carla Lencastre

Belo Horizonte ganha bar de drinques, com gim artesanal e cozinha brasileira, e uma choperia tradicional renovada, com cervejas próprias e bons petiscos

 

Quando o assunto é bar, Belo Horizonte é uma cidade boa demais. E a maioria vive repleta de gente, seja em busca das muitas cervejas artesanais, da maravilhosa comida mineira ou da combinação perfeita de comes e bebes. Neste efervescente cenário boêmio, sempre surge novidade, principalmente no Sion, bairro que reúne grande concentração de estabelecimentos etílicos.

 

Com uma história de mais de 20 anos, o bar Albanos conquistou fama pela qualidade do chope, cresceu, deu uma parada estratégica, passou por uma transformação e ressurgiu no início deste ano com novas cervejas artesanais e projetos “além-bar”. As principais novidades estão em sua nova unidade, chamada de Hub Cervejeiro, casa informal com bons petiscos e que também funciona como escola e local de eventos.

 

Bar Albanos possui novas cervejas artesanais e projetos “além-bar”

 

Com jeito de galpão industrial, o Hub Cervejeiro oferece cursos nos quais você pode aprender a produzir sua própria bebida em uma pequena fábrica no local. Nas torneiras, há sempre cervejas da casa e outras opções de marcas parceiras ou convidadas. Na dúvida, faça uma degustação com seis diferentes tipos de chope. O cardápio oferece sanduíches e petiscos tão variados quanto ceviche de tilápia e almôndegas recheadas de queijo e gratinadas, ambos acompanhados de torradas. Duas sobremesas encerram bem o programa cervejeiro: pudim de leite com xarope de cevada e sorvete de creme com calda de cevada, farofa de chocolate e crocante de castanha.

 

Hub Cervejeiro tem cervejas da casa e opções de marcas parceiras ou convidadas

Inspiração também não falta ao Caê, instalado em uma casa de um pavimento no mesmo bairro. O ambiente colorido e descontraído segue a cartilha de tijolos aparentes, madeira e cimento queimado. O serviço é ótimo e muito amigável com quem está viajando sozinho. Se puder, escolha uma mesa no salão principal, com um quadro-negro com as sugestões do dia e vista para a cozinha aberta, onde Caetano Sobrinho comanda a noite. O chef trabalhou sete anos no A Favorita, um dos mais tradicionais restaurantes de Belo Horizonte.

 

Hub Cervejeiro tem cervejas da casa e opções de marcas parceiras ou convidadas

Peça gim tônica com gengibre, limão e o bom e novo gim artesanal mineiro Ivy Mar, servido na taça balão. Ou então Moscow Mule Caê, com vodca, ginger ale, xarope de pepino, suco de limão e espuma de gengibre, na clássica caneca de metal. Quem não abre mão de cerveja encontra três rótulos em parceria com a mineira Fürst: Pilsen, IPA e Session IPA, a versão menos alcoólica da Indian Pale Ale.

 

O cardápio brasileiro é curto e tentador para uma refeição completa, mas você também ca bem acompanhado com petiscos diferentes e bem servidos, como a coxinha de carne de sol com requeijão cremoso, os pastéis de queijo Minas curado com chutney de cebola caramelizada, ou os chips de tubérculos generosamente polvilhados com queijo do Serro. Aproveite uma das melhores coisas de Minas Gerais e escolha ainda a tábua de queijos mineiros e embutidos da casa. Ou, quem sabe, faça o pedido ao final da refeição, para encerrar com aquele gosto de quero mais com o qual a gente sempre sai de Minas.

 

Pastéis de queijo Minas curado com chutney de cebola caramelizada

SUA VIAGEM NA REVISTA

Envie sua foto e conte porque mais pessoas deveriam conhecer este lugar.

Você pode gostar

VER MAIS