Voltar

Cultura

Agenda

Cinema

Entrenimento a Bordo


Voltar

Lifestyle

Gastronomia

Vinhos

Inspire-se

Family Trip

Expedição

Colunas


Voltar

Capa

Edição atual

Making of

Celebridades

Edições anteriores


Destino Internacional Destino Internacional Art Déco District une arquitetura e arte em South Beach, Miami

Art Déco District une arquitetura e arte em South Beach, Miami

Marília Marasciulo

Miami Beach assume sua vocação artística e histórica ao valorizar o estilo predominante de sua arquitetura

 

Com seus prédios simétricos e meio quadradões, coloridos em tons pastéis, iluminados com néon e adornados por frisos e gárgulas, o Art Déco District de Miami Beach é um dos melhores exemplos de como a cidade está constantemente se reinventando. E se hoje Miami atrai centenas de milhares de visitantes durante o ano todo, cada vez mais a arquitetura e a arte têm exercido sua influência para convencer as pessoas a visitá-la. No fim do ano, com a realização Art Basel, essa vocação atinge o auge. Se você estiver na cidade para conferir as obras dos mais de 200 galeristas do mundo todo, vale a pena conhecer a história que se revela nas fachadas e construções art déco tão características dali.

 

 

Como o nome sugere, déco vem de decorativo, e o objetivo deste estilo, que começou na Europa em 1910, era combinar traços modernistas com materiais ricos para representar luxo, glamour, exuberância e fé no progresso social e tecnológico. Na arquitetura, esses ideais se traduziram em formas geométricas bem definidas, ornamentos (padrões orais, chevrons e zigurates), pisos de mármore ou lajotas com detalhes, torres e elementos meramente decorativos. Na Miami do início do século 20 essa moda pegou tanto que a estimativa é de que existam cerca de 800 prédios construídos no estilo, a maior concentração de arquitetura art déco no mundo, o que garantiu que a cidade entrasse no Registro Nacional de Lugares Históricos dos Estados Unidos.

 

Nos anos 1920, Miami já era um destino bastante procurado por aqueles que queriam escapar do inverno rigoroso do norte. Mas, com a quebra da bolsa de Nova York em 1929 e a Grande Depressão que veio em seguida, os empreendedores da cidade quiseram apostar em uma arquitetura que ajudasse a levantar o ânimo do país e, principalmente, dos turistas. E nada levanta melhor o ânimo do que o luxo – ou ao menos um gostinho dele. E foi por isso que começaram a ser erguidos os principais edifícios art déco da cidade.

 

Quem visita o Art Déco District entende por que Miami abraçou a sua história e fez questão de preservar os traços tão característicos. E a melhor maneira de apreciar esta arquitetura é caminhar pela Ocean Drive, uma das ruas mais icônicas de Miami Beach e coração do bairro. Comece pelo Art Déco Welcome Center, sede da Miami Design Preservation League, a MDPL, responsável pela maioria dos edifícios da região. Além de um museu sobre a história de Miami e da arquitetura, há informações e guias cruciais para a visita, inclusive com tours guiados.

 

Delano
Breakwater

 

Entre os prédios que merecem destaque estão hotéis clássicos, excelentes opções para quem quer ter a sensação nostálgica de estar hospedado dentro de uma polaroide. Entre os mais famosos, estão o Delano e o Breakwater. Quando foi construído, em 1947, o Delano era o prédio mais alto de Miami Beach. Hoje, virou um hotel boutique, onde os hóspedes aproveitam a bela piscina cercada de palmeiras tomando coquetéis em espreguiçadeiras brancas.

 

O Breakwater é o apogeu do art déco, com direito a letreiro luminoso azul contrastando com laranja. Erguido em 1936, foi reformado em 2011 e fica na própria Ocean Drive. Ainda entre os hotéis, cabe uma menção honrosa ao Raleigh Hotel, conhecido como a “grande dama” do estilo art déco, mas que atualmente está passando por reformas. Desenhado por Lawrence Murray Dixon, nome por trás da maioria dos prédios no distrito, foi aberto em 1940. Se nenhum deles agradar, alternativas não faltam: a própria MDPL tem um guia em seu site com sugestões de hospedagem em hotéis no estilo arquitetônico.

 

Raleigh Hotel

Para acrescentar refeições primorosas ao combo arquitetura / arte / história, não é preciso ir muito longe. Na própria Ocean Drive há boas opções de restaurantes. O A Fish Called Avalon é praticamente uma instituição na cidade, há 29 anos localizado em um edifício art déco reformado. A especialidade da casa, é claro, são os frutos do mar. Já o The Front Porch Café fica em outro prédio da época e funciona desde os anos 1990. É satisfação garantida para quem busca hambúrgueres, tacos, panquecas e cerveja a preços justos.

 

E, como é impossível falar de Miami sem falar em compras, uma das ruas de lojas mais famosas da cidade fica justamente em South Beach, no coração do Art Déco District. Um trecho da Lincoln Road foi transformado em mall, com dez quadras fechadas para pedestres e repletas de restaurantes e lojas, a maioria aberta diariamente, das 10 às 23h. Há desde grifes a redes de departamento mundiais. Tudo sem fugir da temática histórica que um passeio por South Beach tem. Afinal, Miami Beach mistura entretenimento, cultura, arte e história como nenhuma outra cidade.

 

PARA OS AMANTES DA ARTE

Importada da Suíça em 2002, a Art Basel de Miami Beach é hoje uma das principais feiras de arte moderna do mundo. Sempre em dezembro, recebe galerias de mais de 30 países e atrai dezenas de milhares de pessoas, interessadas em conhecer mais sobre arte e novos talentos mundiais, além de críticos, colecionadores e curadores de museus.

 

Esse ano, a edição americana acontece no Miami Beach Convention Center, recém-reformado, e reunirá quase 200 galerias em um só local para apresentar pinturas, esculturas, desenhos, instalações, fotografias, vídeos e obras digitais. Pela cidade, museus e coleções privadas também estarão abertos para receber visitantes. Entre os destaques, estão as galerias Kayne Grif n Corcoran, de Los Angeles, e a italiana Cardi, especializada em arte pós-guerra, além do retorno de Barbara Thumm, influente galeria de Berlim, após uma breve pausa. Haverá também representantes brasileiros, com 14 casas do país confirmadas no evento.

 

Foto: Will Ragozzino

A feira abre no dia 6 de dezembro, das 15h às 20h, e nos dias 7, 8 e 9, do meio-dia às 20h. Os ingressos podem ser comprados no site ou no próprio local, por US$ 50 (online) ou US$ 60 (no local) para somente um dia, ou US$ 130 / US$ 140 para todos os dias. Confira a programação completa aqui.

SUA VIAGEM NA REVISTA

Envie sua foto e conte porque mais pessoas deveriam conhecer este lugar.

Você pode gostar

VER MAIS