Voltar

Cultura

Agenda

Cinema

Entrenimento a Bordo


Voltar

Lifestyle

Gastronomia

Vinhos

Inspire-se

Family Trip

Expedição

Colunas


Voltar

Capa

Edição atual

Making of

Celebridades

Edições anteriores


Destino Nacional Destino Nacional 10 praias paradisíacas do Brasil para refrescar a cabeça e fugir do óbivo

10 praias paradisíacas do Brasil para refrescar a cabeça e fugir do óbivo

Para onde tenha sol, é para lá que queremos ir! No mês das férias, selecionamos dez praias paradisíacas de norte a sul do Brasil!

 

LOPES MENDES
ILHA GRANDE (RJ)

 

Chegar a Lopes Mendes é um esforço mais do que bem recompensado. O desembarque é na praia vizinha, do Pouso, onde começa a trilha de três quilômetros até sua comprida faixa de areia. No primeiro vislumbre desse paraíso de ondas altas, todo o cansaço cai por terra e dá lugar a um refrescante banho de mar. Dá para pegar onda, tomar sol e observar a vida marinha a olho nu
– fique atento, porque tartarugas costumam dar as caras por ali.

 

Como chegar: A lancha rápida que desembarca na praia do Pouso parte da Vila do Abraão, e o trajeto dura cerca de 40 minutos.
Com privacidade: Vale a caminhada até o canto da praia, mais deserto, e que abriga uma antiga capelinha e a “Lagoa da Coca-Cola”, de água avermelhada.

 

PATACHO
PORTO DAS PEDRAS (AL)

 

Nada de barracas, restaurantes ou bares. Ao fundo, incontáveis coqueiros, mar cristalino e areia branca. A visão deslumbrante confirma que você chegou à Praia do Patacho, uma das mais exclusivas de Alagoas, próxima à famosa São Miguel dos Milagres. A água é verdinha, ideal para mergulhos nas piscinas naturais que se formam na maré baixa, ou para aproveitar o período de cheia para longos banhos de mar.

 

Como chegar: Do aeroporto da capital Maceió, são duas horas de viagem (115 quilômetros) pela AL-430.
Contato com a natureza: A Associação Peixe-Boi, organização comunitária das cidades de Milagres e Porto das Pedras, promove o turismo ecológico para observação dos animais no Rio Tatuamunha.

 

PRAIA DE SANTO ANTÔNIO
MATA DE SÃO JOÃO (BA)

 

No litoral norte da Bahia, na Linha Verde, num cantinho escondido entre dunas e coqueiros, a Praia de Santo Antônio é um pequeno vilarejo de pescadores de casinhas coloridas. Vizinha da famosa Costa do Sauípe, Santo Antônio é um mar de tranquilidade ainda não descoberto pelo turismo de massa. Apenas cinco barracas ocupam suas areias, com estrutura rústica de madeira – o que dá um charme ainda mais pitoresco ao destino. Na maré baixa, aproveite as piscinas naturais. Na alta, o mar estará para peixe, e para boas ondas.

 

Como chegar: Pela BA-099, a viagem de carro a partir do Aeroporto de Salvador dura cerca de uma hora.
Do mar: Provar os pratos à base de frutos do mar é um programa obrigatório. A moqueca de peixe é servida com banana-da-terra e queijo, um prato bem típico do local. E leve dinheiro – muitos estabelecimentos não aceitam cartão.

 

SÃO MIGUEL DO GOSTOSO (RN)

 

Gostoso, para os íntimos, é o destino dos sonhos para dias de tranquilidade. Ruas de terra, casas de pescadores, sem música alta nas redondezas e atmosfera bucólica compõe o destino de aproximadamente 10 mil habitantes. A cidadezinha é charmosa justamente por concentrar praias estonteantes que podem ser percorridas a pé e descalço, para entrar no clima.

 

Como chegar: A partir do Aeroporto Internacional de Natal, o trajeto de 120 quilômetros dura cerca de duas horas pela BR-101.
Relax: O bate-volta a Perobas, a 45 quilômetros de Gostoso, leva a piscinas naturais de águas cristalinas, acessíveis na maré baixa. De lancha, o trecho é feito em 15 minutos.

 

PRAIA DOS PADRES
GUARAPARI (ES)

 

Muito próxima do centro de Guarapari, a Praia dos Padres encanta pela privacidade, água verde esmeralda e a sombra convidativa de suas castanheiras. O local guarda ainda um outro segredo: uma prainha secreta, acessível pelo caminho das pedras, com piscinas naturais, a cerca de 600 metros de distância.

 

Como chegar: A apenas 70 quilômetros da capital Vitória, chega-se de carro em uma hora de viagem.
Sombra e água fresca: Leve cadeiras para apreciar a sombra das castanheiras, propícia para piqueniques ou um lanchinho rápido durante o dia.

 

GUARDA DO EMBAÚ
PALHOÇA (SC)

 

Seja para surfar, atravessar o Rio da Madre a nado ou fazer trekking pela Pedra do Urubu, a Guarda do Embaú é um refúgio preservado no litoral catarinense. Afastado de badalação, o destino atrai os visitantes em busca de sossego e contato com a natureza. A praia ca na região do Parque da Serra do Tabuleiro, área de conservação que abrange parte do vilarejo, rios e cachoeiras.

 

Como chegar: Via BR-101, partindo de Florianópolis, são 56 quilômetros de carro – e 1h30 de viagem.
Com vista: O mirante da Pedra do Urubu tem fácil acesso por uma trilha de cerca de 30 minutos. Do topo, avistam-se a Guarda do Embaú, Praia da Pinheira, Ilha dos Corais, Praia da Gamboa, Siriú, Garopaba, Rio da Madre e Paulo Lopes.

 

BARRA DO UNA
SÃO SEBASTIÃO (SP)

A praia do Una é um recanto onde o mar se encontra com o rio, em meio a Mata Atlântica, no litoral norte de São Paulo. Com estrutura náutica, recebe embarcações das praias vizinhas, que atracam nas marinas ou no Iate Clube. Os passeios de barco, aliás, são um atrativo local, e levam a ilhas como Montão de Trigo, Couves, Gatos e Alcatrazes. Leve seu snorkel e aproveite o refrescante mergulho para observar a vida marinha.

 

Como chegar: A 150 quilômetros de São Paulo, a viagem pela Rio-Santos (BR-101) leva cerca de 3 horas.
Dica: Além da praia, o destino é ideal para trekkings e banhos de cachoeira – a trilha para a queda do Escorrega tem cerca de dois quilômetros, e leva a um tobogã natural de quase 30 metros.

 

ILHA DO MEL
PARANAGUÁ (PR)

Vinte e cinco quilômetros de área de preservação ambiental esperam pelo visitante nessa porção de terra no Paraná. A Ilha do Mel parece funcionar em ritmo próprio, onde o relógio perde a vez para a calmaria do mar e a rusticidade local. Longe da correria – aqui, não entram sequer veículos –, esse éden tem porções reservadas ao turismo em praias como Nova Brasília e Encantadas.

 

Como Chegar: O acesso é por barco, a partir de Paranaguá ou Pontal do Paraná (a 120 quilômetros de Curitiba). De Pontal, a travessia dura 30 minutos; de Paranaguá, uma hora e meia.
Até o amanhecer: Ao cair da noite, os forrós entram madrugada adentro – aproveite a ocasião para curtir o nascer do sol no Farol das Conchas, com vista privilegiada da ilha.

 

CANOA QUEBRADA
ARACATI (CE)

 

No litoral cearense, Canoa Quebrada é um compilado de paisagens de tirar o fôlego. A vila do município de Aracati ganhou fama na década de 1970, escolhida como destino de hippies atraídos por suas belezas naturais. Ao longo dos anos, conquistou ares de badalação ao mesmo tempo em que manteve extensas faixas de areia desertas. Seja a pé, de buggy, ou numa prancha de kitesurf, não faltam opções para curtir suas praias.

 

Como chegar: A 160 quilômetros do Aeroporto Internacional de Fortaleza, a viagem pela CE-040 leva cerca de 2h30 de carro.
Para dançar juntinho: À noite, o passeio pela Broadway, sua avenida principal, garante jantares animados e arrasta-pé até o amanhecer.

 

PONTAL DE MARACAÍPE
IPOJUCA (PE)

 

No cantinho de Porto de Galinhas, no município de Ipojuca, o Pontal de Maracaípe é um grande piscinão de águas calmas. Ideal para passear com a criançada, essa península pode ser desbravada a bordo de jangadas, que navegam tranquilamente pelos mangues do rio Maracaípe até ele desaguar no mar. O ponto alto é a observação, em habitat natural, de cavalos-marinhos.

 

Como chegar: A 20 minutos do centrinho de Porto de Galinhas (60 quilômetros do Aeroporto de Recife), o trajeto pode – e é mais legal! – ser feito por buggys, em meio ao coqueiral.
Não perca: Se o passeio for no fim do dia, Maracaípe conta com um pôr-do-sol incrível, bem no encontro das águas.


ÁGUA COM AÇÚCAR

Nem só de mar vive o verão. A Ilha de Maiandeua, no município de Maracanã, no Pará, é composta por quatro vilas. Algodoal, a maior e com melhor infraestrutura, traz uma imensidão de areia branca e praias de água doce. A três horas da capital Belém, o porto do distrito de Marudá é o ponto de partida da travessia de barco, que leva cerca de 40 minutos. Aproveite para esticar o passeio ao Lago da Princesa, acessível por trilhas guiadas, onde os cajueiros e ajurus são os protagonistas.

 

SUA VIAGEM NA REVISTA

Envie sua foto e conte porque mais pessoas deveriam conhecer este lugar.

Você pode gostar

VER MAIS